domingo, 11 de janeiro de 2009

Canário da terra


O Canário da Terra é um passeriforme da família Emberizidae, do gênero Sicalis, da espécie Sicalis Flaveola. É originário da América do Sul e pode ser encontrado em outros países além do Brasil (Colombia, Equador, Venezuela, Peru e Argentina).

Em território nacional, este pássaro pode ser encontrado em vários estados; desde o Nordeste até o Sul do Brasil. O Canário da Terra já teve populações em quase todos os estados, mas foi extinto em algumas poucas áreas do país.

Os filhotes (tanto machos como fêmeas) são da cor parda. Quando adultos, os machos têm cor predominantemente amarela e podem receber alguns tons avermelhados na testa e no alto da cabeça. Já as fêmeas do Canário da Terra acabam permanecendo em um tom pardo (com algumas penas mais escuras).

O Canário da Terra é um pássaro terriotorialista (apesar de ser visto em bandos quando não é época de acasalamento). Seu canto (como a maioria dos outros pássaros) tem finalidade de atrair a fêmea e avisar outros macho sobre sua presença.

Quando na natureza, o Canário da Terra se alimenta de maneira simples. Sua dieta é constituída basicamente de sementes, frutas e vegetais. E é justamente por esta simplicidade na alimentação que o canário conseguiu sobreviver até hoje em tantos diferentes lugares.

Quanto ao tamanho, esta é uma espécie média; com medidas que giram em torno dos 13,5 cm. Mas, apesar de seu tamanho comum, o Canário da Terra tem uma cantoria de longo alcance, podendo ser escutado a uma distância considerável.

O Nome: Canário da Terra

Não se pode confundir o nosso Canário da Terra com com os canários vistos em lojas de animais. Estes são os chamados "Canários do Reino", ou "Canários Belgas". O nosso Canário da Terra é o Sicalis Flaveola Brasilienses. Os Canário do Reino são os Canarius Sirenus. Estes últimos são muito diferentes dos Canários da Terra; de origem e família absolutamente distintos.

Segue uma explicação para as diferentes nomenclaturas. O "Canário do Reino" é um pássaro criado em cativeiro há séculos na Europa. Um dos que melhor se reproduz em gaiolas. A origem de seu nome é a seguinte: há um conjunto de ilhas no sul da Espanha que se chama "Ilhas Canárias". As ilhas receberam o nome de "Canárias" porque lá havia uma grande população de Presa Canário, que é uma raça européia de cães.

Nesta ilha havia muitos destes pássaros (Canarius Sirenus) e eles acabaram recebendo o nome de "Canários" porque só existiam nas "Ilhas Canárias".

Quando os europeus chegaram às américas (particularmente ao Brasil), trouxeram estes exemplares de pássaros. Mas algum tempo depois eles notaram na nossa fauna uma outra espécie, também notável pelo seu canto. Tanto que também apelidaram esta ave de "Canário".

Mas para que houvesse distinção entre o canário criado na Europa e o canário que já havia aqui, eles procederam da seguinte forma: o canário originário da Europa recebeu o nome de "Canário do Reino". Em alguns lugares do Nordeste do Brasil ele é inclusive chamado de "Canário do Império". O canário que já havia no Brasil foi chamado de "Canário da Terra".

No nordeste do Brasil havia muitos holandeses e belgas. E os responsáveis por trazer estes canários da Europa para as regiões do nordeste do país foram os belgas. Daí a razão de o Canário do Reino ser chamado de "Canário Belga" em muitos lugares (apesar de ser originário da Espanha).

Há também uma curiosidade no que toca ao nome do Canário da Terra entre os índios brasileiros. Eles chamavam o Canário da Terra de Guiranheemgatu, cujo significado é "pássaro de canto bom". Este nome que os nativos davam ao Canário da Terra era por causa do volume da cantoria do canário (que podia ser escutado a longas distâncias).
Sementes

É fundamental para a saúde do pássaro ter uma alimentação correta. Isto acontece com qualquer ser vivo - e com o Canário da Terra não é diferente.

Quando na natureza, os Canários da Terra se alimentam de sementes, frutas e verduras. E não poderia ser de outra forma, pois é isso que ele escontram à sua disposição no mato, nos campos e nas fazendas.

Pássaros gostam de sementes. É assim que eles vivem na natureza. O desejo pela semente está no instinto do pássaro e cada espécie tem suas favoritas. A grande vantagem de utilizar sementes é que elas são baratas, são fáceis de encontrar em qualquer lugar e os pássaros adoram.

Mas há também dificuldades quando se utiliza sementes como base de alimentação de um pássaro ou de um plantel. A primeira delas diz respeito à seleção: invariavelmente, os pásaros selecionam as sementes de que mais gostam e deixam as outras de lado. Desta forma, sua alimentação fica desbalanceada e o pássaro pode apresentar desequilíbrios nutricionais.

Por esta razão, a alimentação de aves e plantéis que são tratados com sementes deve ser complementada com frutas e vegetais (como o Jiló, o Milho-Verde, o Almeirão, a Couve, o Pepino, o Mamão e a Laranja).

Mas aí passam a surigir outros problemas (e temos de considerar todos eles). Caso a ave goste de um destes itens (frutas e vegetais) ela pode se alimentar exclusivamente deste seu alimento preferido (e deixar as sementes mais nutritivas de lado).

Outra questão a se considerar é a manutenção destes itens: como todos estes alimentos são perecíveis, o criador terá de aumentar em muito seu cuidado com aquilo que seus pássaros estão ingerindo.

Devemos também pontuar que a forma de cultivo, armazenamento e transporte das sementes, frutas e verduras pode ser, em muitas vezes, inadequada.

Por último, há a questão dos agrotóxicos. Nós, seres humanos, não sentimos tanto os efeitos destes produtos, mas os pássaros tem um metabolismo muito diferente e seu tamanho é incomparavelmente menor que o nosso. Desta forma, as doses de agrotóxicos presentes nas frutas, verduras e legumes podem ser letais para as aves.

Sementes, frutas e legumes também tornam o ambiente do pássaro mais sujo, o que favorece o surgimento de doenças e outros problemas. O criador tem de ficar soprando as casquinhas do cocho e o chão do criadouro sempre estará cheio de sujeira.

Para os que forem aderir à alimentação baseada em sementes, recomenda-se uma mistura de 60% de alpiste e 40% de outras sementes (EX: painço, senha e níger).
Um item que é fundamental na boa alimentação da ave é a areia lavada (também conhecida como areia esterilizada, ou grit mineral). Este é um produto facilmente encontrado em lojas e sites especializados em produtos para aves. Ele é importante porque ajuda na digestão.

Há também farinhadas que são excelentes no desenvolvimento e no equilíbrio nutricional das aves. Os criadores que decidem pela alimentação a base de sementes deveriam utilizá-las com freqüência. O criador deve escolher as farinhadas de marcas consagradas para oferecer ao seu plantel (como Alcon, Megazoo e Nutrópica).

Por fim, o que mais importa é que o Canário da Terra receba alimentação adequada, limpa e de boa procedência; para o bem de sua saúde e satisfação de seu dono.

Sobre as Gaiolas

Outra questão que merece destaque é o local onde o Canário da Terra será criado. No que toca às gaiolas, há basicamente duas opções: metal ou madeira. Também há defensores e críticos para ambas as alternativas. Seguem considerações:

Adaptação: As gaiolas de metal são mais frias. Em regiões do Brasil em que o frio é muito intenso isso pode fazer uma diferença enorme. As gaiolas de madeira são mais frescas no verão e mais quentinhas no inverno. E também as gaiolas de madeira são mais parecidas com o que o pássaro iria encontrar na natureza (as árvores). Então, no que toca à adaptação, as gaiolas de madeira são melhores.

Higiene: No que toca à higiene, as gaiolas de metal são mais fáceis de cuidar. As partes da gaiola (seu fundo e grades) podem ser lavadas facilmente com cândida, desinfetante ou álcool. Isso já é bem mais difícil de fazer com as gaiolas de madeira (pois o processo de secagem principalmente pode ser bem mais chato e demorado). Outro ponto é que a madeira tem uma porosidade natural que pode acumular fungos e bactérias (além de que pode abrigar pequenos parasitas nas frestas). Um terceiro ponto sobre a higiene é que a maioria das gaiolas de metal conta com uma grade de proteção no fundo, que impede que o pássaro tenha contato com as fezes que estão no chão (o que não acontece com as gaiolas de madeira que não contam com este item). Então, no que toca a higiene, as gaiolas de metal são melhores. Veja como fazer a higiene das gaiolas no canal HIGIENE.

Tamanho: O criador também deve zelar para que o espaço dentro da gaiola seja suficiente para a habitação do canário. Muitos criadores mantém seus pássaros em gaiolas pequenas. É evidente que o pássaro cabe na gaiola pequena, mas o criador que realmente se preocupa com seu canário deve cuidar para que a ave tenha bom espaço, para se movimentar e gozar da liberdade que cabe ao pássaro nascido em cativeiro. Recomenda-se o uso de criadeiras e voadeiras. Caso o passarinheiro deseje manter o canário em uma gaiola de arco, recomenda-se que ele compre uma gaiola arco de número 5 (no mínimo). Como já dito: o Canário da Terra até cabe em gaiolas menores (3 ou 4), mas o criador preocupado com o bem estar do pássaro deve ter um propósito de mantê-lo de forma que ele tenha algum espaço e seja feliz.



Sobre a Higiene

Pássaro bem cuidado é pássaro saudável. Para ter um pássaro forte e feliz é necessário cuidar do ambiente em que ele vive. O criador deve cuidar para que a gaiola esteja sempre limpa.

Devemos começar com a limpeza corriqueira: trocar o fundo da gaiola. Há passarinheiros que ficam vários e vários dias sem trocar o fundo de suas gaiolas. Há alguns que têm muitas aves e não conseguem dar a atenção devida a cada uma delas. Um criador deve saber qual o limite de pássaros que ele pode ter para que possa mantê-los de maneira saudável.

Há quem troque o fundo todos os dias. Há quem deixe o fundo por mais tempo. O canário da terra é uma ave de porte médio e a sujeira que ele produz é proporcional ao seu tamanho. Gaiolas com Caboclinhos ou o Bigodinhos podem ficar mais tempo sem ter o fundo trocado, mas não é o caso do canário. Para saber quando deve trocar o fundo de sua gaiola o criador deve adotar o bom senso e a prudência.

Não se recomenda utilizar jornal no fundo da gaiola, pois o mesmo contém chumbo (que é nocivo aos seres vivos). Procure utilizar outros tipos de papel.

Um item é fundamental na higiene da gaiola: a água de beber. A água do bebedouro deve ser trocada diariamente. Por mais que o criador não encontre sujeiras a olho nu; o bebedouro abriga bactérias que podem prejudicar a saúde da ave. Passarinheiro esperto troca a água todos os dias.

Além de cuidar da água, o criador deve ter atenção especial com os comedouros e cochos. Acidentes acontecem e é bastante comum encontrar fezes do passarinho no comedouro. O passarinheiro deve observar diariamente o cocho e verificar se o passarinho fez alguma sujeira ali. A remoção da sujeira deve ser imediata.

De tempos em tempos é necessário fazer uma limpeza em toda a gaiola. Limpar poleiros, comedouros, bebedouros e as grades da malha. Para fazer esta limpeza é necessário passar a ave para uma outra gaiola.

Para fazer esta higienização, utilize um pano limpo e um produto de limpeza (que pode ser desinfetante diluído em água ou álcool). Você pode usar uma escova de dentes ou um cotonete para limpar as frestas que o pano não alcança. Esfregue bem as partes e deixe-as secando ao sol. Faça a mesma coisa com o bebedouro e os cochos. De vez em quando é aconselhável jogar SBP (inseticida) nas frestas da gaiola; pois há pequenos parasitas (principalmente piolhos) que se escondem justamente ali.

Atenção: Nunca faça esta limpeza enquanto os pássaros estiverem dentro da gaiola; pois a movimentação pode ser bastante traumática para a ave. Tenha sempre uma segunda gaiola (de reserva) para colocar o canário enquanto você faz a higiene da primeira.





Sobre o Posicionamento das Gaiolas

Pássaros precisam ficar em lugares iluminados e ventilados. O ideal é que eles estejam em um lugar que receba a luz do dia; luz natural. Mas cuidado: pássaros não podem ficar tomando luz direta do sol por muito tempo. Um pouco de sol é bom, mas os canários também precisam de sombra e descanso. O sol da manhã é o mais recomendável.

Também há de se ter um cuidado especial com as correntes de vento. Os pássaros devem ficar em lugares ventilados, mas sem entrar diretamente em contato com as correntes de ar. As rajadas podem resfriar as aves, de maneira que elas venham a adoecer.

Quanto ao contato com as pessoas, há de se observar o seguinte: quando um pássaro fica em um lugar movimentado, é certo que ele se tornará uma ave sociável. Quanto mais isolado ele permanecer, mais chances existem de ele se tornar um pássaro assustado; arisco.

Quanto ao repouso, o criador deve ter muita atenção. Se a ave passar a noite em lugares com muita circulação de pessoas (como a cozinha ou a sala) certamente terá seu repouso comprometido (e ficará mais fraco; sucetível a doenças e males).

Outra preocupação que o pasarinheiro deve ter é de não deixar os pássaros em lugares onde eles corram riscos de vida. Há lugares em que o canário estará à mercê de gatos e gaviões. Muita atenção com onde você deixa sua ave pendurada! Manter o pássaro em um lugar seguro é uma obrigação do criador !


Monogamia

Canários da Terra são aves que convivem bem em grupos quando estão na natureza. Só se separam quando chega a época da reprodução. Mas nem sempre o convívio coletivo é possível, pois há aves (tanto machos como fêmeas) com instinto territorialista maior do que o normal.

É comum entre os pássaros silvestres que o criador deixe macho e fêmea separados até a época do acasalamento (regime de POLIGAMIA). Mas entre os Canários da Terra há um comportamento um pouco diferente dos demais. É bastante normal ver casais de Canários que se aceitam durante todo o ano.
No regime de monogamia, o criador não precisa fazer o "namoro" para que o macho e a fêmea cruzem. A partir de Setembro o passarinheiro já pode colocar raiz seca de capim na criadeira, pois a fêmea irá começar a levar os fios para o ninho e - na hora certa - aceitará a gala do macho. O criador não deve se esquecer da abundância de alimento!Poligamia

Pode acontecer de um macho ou uma fêmea não aceitar a presença do outro nas épocas que não são de reprodução. Neste caso, o criador deve juntá-los somente no momento da gala e separá-los logo em seguida. Este macho pode, inclusive, ser usado para galar várias fêmeas. Esta opção de criação é denominada entre os criadores de Poligamia. Vejamos os procedimentos que devem ser adotados neste regime de criação:

O criador deve deixar fêmea e macho se escutando mutuamente quando chegar a época de acasalamento (por volta de Setembro). Depois, ele deve deixar que as gaiolas fiquem próximas e que os dois possam se ver, para que haja um "namoro". Quando o criador perceber que o macho quer galar a fêmea (e que a fêmea está se abaixando para o macho) ele deve abrir o passador lateral da gaiola e juntar os dois.

Este procedimento pode ser repetido diariamente até que a fêmea não aceite mais o macho. Isso significa que ela quer botar! No regime de Poligamia, o criador pode usar o mesmo macho para realizar este processo com várias fêmeas (cuidando para que ele não seja muito exigido).

Sobre os Filhotes

O criador deve ter alguns cuidados para que os filhotes sobrevivam e se desenvolvam. Vamos relacioná-los.

Privacidade: Não fique mexendo desnecessariamente no ninho, mas somente quando a situação realmente exigir. Procure mexer nos filhotes somente quando a fêmea não estiver sentada sobre eles (quando ela tiver saído para se alimentar ou fazer algo mais). Caso o criador resolva mexer no ninho quando a fêmea estiver ali, há um risco de que ela abandone os filhotes. Qualquer tipo de manutenção na gaiola enquanto a fêmea estiver chocando deve ser discreta e rápida, para que ela não fique insegura.

Alimentação: A própria fêmea cuida dos filhotes (não sendo necessário que o criador se preocupe em fazê-lo). O que o criador precisa fazer é disponibilizar abundância de alimento (para que a fêmea tenha como cuidar dos ninhegos). Caso o tratador use sementes, que ofereça diversidade de complementos (Milho, Jiló, Couve, Farinhada, etc). Caso o tratador utilize rações estrusadas, basta que use uma farinhada como complemento, pois a farinhada possui vários nutrientes.

Anilhamento seguro: Pássaro legalizado é sinal de respeito para com a fauna. O anilhamento deve ser feito no 5° dia de vida. Mas pode ocorrer de a fêmea querer tirar as anilhas. Isso pode acontecer pelo fato de as anilhas não fazerem parte do corpo do passarinho (e a fêmea achar que trata-se de algum tipo de sujeira). Ela também o faz por achar que trata-se de fezes dos filhotes (as anilhas brilham, exatamente como as fezes das aves). Uma alternativa para evitar que a fêmea arranque as anilhas é revestí-las externamente com band-aid cor da pele. Isso "engana" a fêmea (que não se sente incomodada com a anilha).

Separação: Em média, os filhotes saem do ninho aos 15 dias. A separação pode ser feita aos 40 dias, pois o macho pode - eventualmente - se sentir incomodado caso haja outros machos entre os filhotes. Mas se o criador tiver bastante espaço e perceber que o macho não se incomoda com os filhotes, ele pode manter os canários juntos até a próxima temporada de acasalamento (pois os canários convivem em relativa harminia na natureza quando estão em bandos). Mas o passarinheiro deve ficar atento, separando os machos ao menor sinal de desentendimento.

Recomenda-se a separação quando chegar a temporada seguinte de acasalamento, pois as chances de haver brigas entre machos é mais alta durante estes períodos.

Caso a separação seja feita mesmo aos 40 dias (quando os filhotes forem "desmamados", recomenda-se que os irmãos sejam colocados em uma mesma gaiola durante algum tempo (para que o trauma da separação não seja muito forte). Depois que já estiverem mais adultos podem ser separados entre si.



O criador deve lembrar que, em alguns casos, a fêmea só irá pedir gala e aceitar o macho quando perceber que há abundância de alimento na gaiola. Caso contrário, ela se sentirá insegura para tratar dos filhotes (e não aceitará o macho na gaiola).



3 comentários:

  1. Ei qual a diferença entre o tizil macho pardo e uma femea??

    ResponderExcluir
  2. Ei um canário da terra pode se relacionar com um canário belga?

    ResponderExcluir
  3. ou como eu faço para saber se meu canario da terra e femea ou mancho quando ainda ta començando ha amarelar

    ResponderExcluir